“Grito da Liberdade” inaugurado na Casa do Povo de Abrunheira

Foto cartão_com logo mostrarte

A Casa do Povo de Abrunheira inaugurou esta terça-feira, o “Grito da Liberdade”, um mural evocativo do 25 de abril.

Esta Instituição Particular de Solidariedade Social decidiu concretizar este trabalho inserido no Mostr`arte 2017, porque muitos dos clientes da Instituição fazem parte das gerações vivas que presenciaram, que viveram na primeira pessoa as agruras do estado novo. São elas, que com as histórias das suas vidas, transmitem às gerações futuras, aos nascidos pós revolução, o que custou conquistar a liberdade.

O mundo mudou, mudou muito, a globalização muito trouxe, novas tecnologias, novas ferramentas, novo conhecimento, mas não nos dá o direito enquanto cidadãos, de descurarmos a liberdade. O mural recorda o muito que os capitães de abril fizeram para tornar este país melhor. A revolução foi feita, mas falta preservar e desenvolver a mentalidade, o sentido de comunidade, de fazer pelo outro, de criar e não implodir, de construir, de realizar os ideais que fazem de uma sociedade, de uma comunidade, um sítio mais justo, um país mais igualitário, um mundo melhor.

Esta inauguração aconteceu pelas 16 horas do dia 25 de abril, junto ao Complexo Social Sénior de Abrunheira e foi composto por uma exposição medalhística alusiva à época, uma exposição de exemplares de publicações originais desses tempos, momento de interacção e participação ativa dos seniores da Instituição.

A inauguração do “Grito da Liberdade” contou com intervenções do Presidente da Instituição, José Carvalho, que falou desta aposta na cultura, inserida esta realização no Mostr´arte 2017 que tem estado a decorrer, promovida pela Instituição num verdadeiro festival de arte que já homenageou importantes figuras da cultura montemorense no Festival do Arroz e da Lampreia, já inclui no interior das instalações outras representações artistas e agora esta aposta no exterior que não se encerra em si, sendo um ponto de partida para algo maior, transformando este Complexo numa verdadeira galeria de arte a céu aberto, ao ar livre e livre para todos.

Presentes estiveram várias individualidades, entre elas Fernando Ramos, na qualidade de Presidente da Assembleia Municipal, visto este evento ter sido inserido nas comemorações oficias do 25 de abril em Montemor-o-Velho, realçando a importância do elevar e relembrou os valores de abril, a qualidade do mural “O Grito da liberdade” assim como a exposição medalhística apresentada no interior do Complexo, com total rigor histórico, a exposição de publicações alusivas à época, destacando com especial enfoque o exemplo do papel que a mulher tem vindo a desempenhar e a conquistar na sociedade, tanto na luta antes da revolução com nas conquistas que vai conseguindo no dia-a-dia, chamando várias gerações.

DESCERRAMENTOO desvendar do mural foi feito pelos idosos, num exemplo de paridade, com três homens e três mulheres a efectuarem o ato simbólicos de descerramento, tendo sido a comunidade presenteada com cravos com mensagens de abril elaborados pelos próprios seniores da Instituição.