Investigadores da Universidade Coimbra distinguidos internacionalmente por estudo na CPA

Um iogurte líquido foi o ponto de partida para um estudo sobre o colesterol, realizado por três investigadores da UC. A investigação foi premiada pela Academia de Farmácia de Castela e Leão pelo seu contributo para a saúde.

Os investigadores Isabel Andrade, Lélita Santos e Fernando Ramos conquistaram o prémio anual Academia de Farmácia de Castela e Leão. O estudo «Efeito do leite fermentado com fitoesteróis combinado com estatinas em lípidos e marcadores do metabolismo do colesterol em idosos» foi desenvolvido na Universidade de Coimbra.
Realizado nos Laboratórios de Bromatologia e de Análises Clinicas da Faculdade de Farmácia da UC, o projeto contou com a colaboração de instituições de terceira idade. A Casa do Povo da Abrunheira, a Casa dos Pobres de Coimbra e a Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Velho foram as entidades que se associaram a esta investigação.
Os dados obtidos neste trabalho «confirmaram o efeito hipocolesterolemiante da toma de 2 g/dia de fitoesteróis, através do consumo de um iogurte líquido suplementado, em combinação com uma estatina». «O benefício da associação de um inibidor não-farmacológico da absorção do colesterol (os fitoesteróis do iogurte) a estatinas, na redução absoluta do colesterol-LDL foi evidente», acrescenta o grupo de investigadores.
Este estudo foi pioneiro, a nível mundial, ao investigar o efeito paralelo de fitoesteróis e de estatinas no perfil lipídico e no metabolismo do colesterol em idosos. A Academia de Farmácia de Castela e Leão considerou que este projeto é um relevante contributo para os avanços científicos em saúde «uma vez que inclui a problemática das doenças cardiovasculares, a abordagem terapêutica mais comum com estatinas e a população idosa»
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial