PELA MARGEM DO MONDEGO

Pela margem do Mondego: Abrunheira, Verride e Vila Nova da Barca. Olhares da História é o título do livro, da autoria da historiadora Maria Amélia Álvaro de Campos, que a Casa do Povo de Abrunheira (CPA) vai lançar no próximo dia 11 de Outubro, pelas 11h00, na capela de Nossa Senhora da Saúde, em Reveles.

Com publicação da Editora Palimage, o livro será apresentado por Maria Helena da Cruz Coelho, historiadora, Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Este evento integra a iniciativa cultural “Munda Lusófono – Encontro Literário de Montemor-o-Velho”, organizado pela Biblioteca Municipal Afonso Duarte. A sessão de lançamento do livro será precedida de eucaristia dominical, terminando com um apontamento musical pelo grupo ‘M&M Projekt’.

De acordo com uma nota da CPA “este livro é um dos frutos do projecto de investigação sobre a ‘História e o Património de Abrunheira e sua Região’, promovido pela Casa do Povo de Abrunheira, entre 2014 e 2015”, salientando que “em termos geográficos o estudo centra-se na margem esquerda do Mondego, abrangendo um horizonte espacial que começa na margem do rio, desce até à freguesia de Samuel e do monte de Reveles e se estende, para Nascente, até à localidade de Brunhós”.

Segundo a mesma nota de informação, “com base em dados coligidos nos fundos documentais do Arquivo Histórico de Montemor-o-Velho, no Arquivo da Universidade de Coimbra e no Arquivo Nacional da Torre do Tombo”, “desvendam-se, neste estudo, traços marcantes da História da actual União de Freguesias de Abrunheira, Verride e Vila Nova da Barca, nomeadamente a evolução do povoamento, o desenvolvimento das vias de comunicação e a organização da rede institucional, laica e eclesiástica, que conformou a vida dos habitantes deste território ao longo do tempo”.

Sublinha-se também que “o livro Pela margem do Mondego: Abrunheira, Verride e Vila Nova da Barca. Olhares da História carreia um importante contributo para o conhecimento da História Local e Regional, com particular interesse para os habitantes do Baixo Mondego que podem encontrar nesta obra as raízes e a evolução do património material e imaterial que caracteriza a sua terra”.

O livro é um dos resultados do estudo que Maria Amélia Álvaro de Campos realizou entre os meses de Maio de 2014 e Junho de 2015, no âmbito do projecto de investigação História e Património de Abrunheira e sua Região, promovido pela Casa do Povo de Abrunheira e financiado com um Estágio Emprego, pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional.

A autora, natural de Oliveira do Hospital, é licenciada em História (2006), com especialização no Ramo de Formação Educacional (2007), com pós-gradução em História da Idade Média (2007), na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Doutorou-se nessa Universidade (2012), com a tese Santa Justa de Coimbra na Idade Média: o espaço urbano, religioso e socio-económico. Tem vários artigos publicados, em Portugal e no estrangeiro, sobre a cidade medieval de Coimbra, nomeadamente, sobre a sua rede paroquial e o seu clero secular. Presentemente, desenvolve o projecto de investigação Territórios, sociedades e religiões: redes paroquiais numa cidade medieval europeia. O caso de Coimbra, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, sediado no Centro de História da Sociedade e da Cultura (Universidade de Coimbra), no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (Universidade de Évora) e no Centre de Recherche Interdisciplinaire en Histoire, Histoire de l’Art et Musicologie (Universidade de Limoges).